Sorteio: Livros ou Travessuras?

16/10/13




Olá, leitor! O Halloween está chegando e o blog Desbrava(dores) de Livros, juntamente com O mundo sob o meu olhar e Revelando Sentimentos escolhemos dez livros para sortear. Serão 10 livros e apenas 1 ganhador.

Confira a lista que você estará concorrendo:
1- Bruxos e Bruxas – James Patterson;
2- The Walking Dead: A ascensão do governador – Robert Kirkman; Jay Bonansinga;
3- O iluminado – Stephen King;
4- Dexter: a mão esquerda de Deus – Jeff Lindsay;
5- Um lugar especial – Peter Straub;
6- O pacto – Joe Hill;
7- A estrada da noite – Joe Hill;
8- Sangue na neve – Lisa Gardner;
9- A cruz de Morrigan – Nora Roberts;
10- Inferno – Dan Brown.




Gostou? Então conheça as regras:

Seguir o blog “Desbrava(dores) de livros”;
Seguir o blog “O mundo sob o meu olhar”;
Seguir o blog “Revelando sentimentos”;
Deixar um e-mail para contato.

Chances extras:

Comentar nos Blogs “Desbrava(dores) de livros, “O mundo sob o meu olhar” e “Revelando sentimentos” sobre o sorteio (+ 5 chances);
Curtir “Desbrava(dores) de livros” no Facebook (+ 5 chances);
Curtir “O mundo sob o meu olhar” no Facebook (+ 5 chances);
Curtir “Revelando sentimentos” no Facebook (+ 5 chances);
Curtir “Coração de Vidro” no Facebook (+ 5 chances);
Seguir o @Marcosde_Sousa no Twitter (+ 5 chances);
Seguir a @natthy_8 no Twitter (+ 5 chances);
Twittar: “Estou participando do sorteio e ganharei 10 livros do Blog Desbrava(dores) de Livros! http://goo.gl/tk25RT” (+ 10 chances);
Colocar o banner no seu blog (+ 10 chances) e
Compartilhar a imagem promocional no Facebook, juntamente com o link do blog onde você se inscreveu na promoção (+ 10 chances).

Para participar, é só seguir as regras e, caso queira ter mais chances de ganhar, não deixe de seguir os critérios mencionados. Você poderá se inscrever até o dia 15 de novembro. Participe! Você poderá levar todos esses livros para casa.

a Rafflecopter giveaway

O que não foi dele, o que não foi dela

07/10/13


Deslizou seus pés na areia fria, podia sentir a mistura das substâncias. O sólido da areia se encontrava com o líquido salgado do mar. Ele tinha ótimas lembranças e tristes pensamentos.
Encontraram-se ali, misturados entre as substâncias dos corpos e dos sentimentos. Ambos quentes, diferentes destinos.
Olhou ao seu lado e desfilava um casal e uma criança. Ela ficava segurando as mãos, entre eles, contente, e fitando o cachorrinho que estava sendo puxado pela mãe. Uma cena que era costumeira para Bernardo, mas que doía sempre que a contemplava.
Sentou-se na areia, embora quente, não se importava com a temperatura. Queria mesmo era inclinar a face e deixar que as lágrimas tocassem os grãos, sem que notassem seu rosto molhado. Só queria um motivo. Bernardo, todavia, foi um marido bom, buscou ser. Embora eles não tivessem casado na igreja, como sempre sonharam. Porém, devido às condições financeiras, não foi possível. Mesmo assim, havia uma união que Bernardo considerava como eterna. E não foi. Ele só precisava entender a razão da separação e não conseguia, era uma incógnita. Após uma briga ela saiu de casa para levar Lili ao colégio e nunca mais voltaram.
Teve a ousadia de contemplar o casal, mais uma vez. A garotinha estava sentada no colo de sua mãe, enquanto mexia na areia. A mãe a segurou pela cintura e sentou sua filha na toalha de praia.
- Vá! Brinque, querida. Quero um castelo bem bonito.
Bernardo não aguentava ouvir aquilo. As declarações de amor, as demonstrações de afeto eram demais. Ele não esquecia Caroline, por mais que quisesse. Tinha algo nela que o prendia, que o fazia querer e pensar em sua presença a todo instante.
A criança ergueu a cabeça para mostrar à mãe o tamanho do castelo que construíra. Ao erguer, contemplou aquele homem chorando, em silêncio.
- Olhe, mamãe. Ele está chorando – ingênua, apontou a criança para Bernardo.
Constrangida, a mulher pediu desculpas pela atitude da filha. Bernardo apenas meneou a cabeça e sumiu o mais rápido que pôde.

Caroline ergueu a cabeça e olhou os ponteiros se movendo. Eram 10h28 ainda e parecia que ela tinha dormido uma eternidade. Vivia trancada, ora dormindo, ora comendo ou apenas olhando para o nada. Não podia assistir televisão, não tinha acesso à internet e seu celular fora tomado e ela nunca mais conseguiu ir numa loja para comprar outro.
Caroline chorava baixinho, não tinha notícias de Bernardo, mal podia acarinhar sua filha. Ele a mantinha presa, mas por qual objetivo? Ela só queria entender porque aquele homem fazia-lhe tanto mal.
No fundo, mesmo não querendo admitir, Caroline sabia. Ele era um psicopata. Começaram a namorar um ano antes de conhecer Bernardo. Ela desconhecia seu jeito e ficaram juntos por longos oito meses, mas era hora de terminar. Ela não aguentava mais viver com ele e então ele não aceitou o fim. Procurava, seguia e, numa emboscada, trouxe-a. Roubou-a para si.
Ele não queria mais nada além daquela presença. Prendia Caroline e sua filha. Ao chegar em casa, ele forçava Caroline a fazer suas vontades, era submissa, pois ele ameaçava matar Lili.
Caroline, temendo, nada podia fazer. Não conseguia se soltar, sequer pedir ajuda. Caroline só queria Bernardo, ter seus braços protegendo os seus, chorar em seu colo e tê-lo como abrigo.

Amar, amor

12/06/13



Desde sua chegada, amor,
Amar tornou-se riqueza.
Seu sentimento é a minha destreza.


Amar, amor, me amar...

Ouvir tuas palavras, amor,
Amar tornou-se ventura.
Sua voz é a minha ternura.


Amar, amor, te amar...

Desde o nosso encontro, amor,
Amar tornou-se a nossa fortuna.
Sonhar, viver, amar.

Amar, amor, nos amar...

Enamorados réus

27/05/13

Olhares flamejantes
Refletem abraços que extirpam dores,
Beijos que acolhem a felicidade.

Olhares flamejantes
Notam a presença dos amores,
Juntos, a bailar a melodia dos onze.

Olhares flamejantes
Observam, ambos, álacres,
Sorrisos que vieram dos céus.

Olhares flamejantes
Sentem, agoniantes,
A despedida de volta para a cidade dos véus.

Olhares flamejantes
Voltam a apreciar, relaxantes,
O encontro dos enamorados réus.

O dom de amar

27/03/13





Então você olha para os céus e pede a Deus que te dê motivos para sorrir, então, você é contemplado com alguns risos disfarçados, com o jeito bobo e uma cara de maluco que, às vezes, nem se dá conta. Você pede carinho e de brinde recebe atenção. Almeja a paixão e recebe o amor. Pede e suplica por um buquê de flores e acaba ganhando uma floricultura. Pede um bombom num clima romântico e acaba ganhando a fábrica de chocolate.

Você pede uma refeição do dia e acaba ganhando o alimento da vida toda. No deserto, você pede água e, de quebra, ainda ganha uma garrafa de dois litros de Coca-Cola com um bolo de cenoura com cobertura de chocolate. No leito de hospital, já doente, sem forças, pede apenas para viver mais um pouco, ao invés disso, acaba recebendo a cura.

Pedimos tanto e pensamos que iremos receber nosso desejo, mas aí a gente percebe que recebemos muito mais do que sonhávamos. Foi assim com você. Pedi a Deus que me fizesse feliz, então Ele te criou, te formou e te colocou em meu caminho. 

Quando o contentamento bateu em minha porta, aliás, me chamou no MSN, pedindo para ligar duas vezes porque ele era difícil, decidi não ligar. Então, ele viu que eu era mais difícil do que ele e resolveu discar meu número. Foi assim com você, foi assim nossa felicidade e vai continuar sendo. Porque, na verdade, quando esse tipo de encomenda vem errada, a gente não quer devolver.
Related Posts with Thumbnails

Alimente as carpas